Peço desculpa a todos pela baixa atualização de postagens no blog

domingo, 29 de maio de 2011

Carrapatos, como cuidar de seu cão

Quem nunca saiu com seu cãozinho e quando chegou em casa percebeu que ele estava com carrapatos?

A infestação por carrapatos é muito comum na primavera quando chega o calor, pois é nessa época em que a fêmea precisa de sangue para poder se reproduzir e seu cão é um de seus hospedeiros favoritos. O carrapato habita zonas de bastante vegetação, como jardins, terrenos baldios, parques. Por isso, quando você sai com seu cão, é comum encontrar carrapatos alimentando do sangue de seu animal.

A infestação por carrapatos no cão, além de provocar um incômodo muito grande ao animal pela coceira que provoca (reação alérgica), pode causar anemia e transmitir doenças como a Babesiose e a Erlichiose.

Assim, o controle do carrapato deve ser constante e qualquer sinal de apatia, febre, falta de apetite e mucosas (gengivas ou conjuntiva) pálidas em cães que costumam ter carrapatos, é motivo de uma visita ao veterinário e um exame de sangue, para detecção da Babesia ou da Erlichia. Elas são tratáveis quando diagnosticadas a tempo.

Alguns dados técnicos sobre os carrapatos:
  • As espécies mais comuns são: Rhipicephalus sanguineus, Ixodes ricinus, Ixodes hexagonus e Dermacentor reticulatus.
  • Medem entre 0,35 e 1,5 centímetros
  • Uma fêmea adulta coloca entre 2.000 e 4.000 ovos.
  • Estes ovos podem sobreviver até três anos no meio ambiente.
  • Quando jovens têm seis patas, mas na idade adulta crescem mais duas patas.
  • Os carrapatos se escondem até em árvores à espera de um hospedeiro.
Quando um cão se aproxima de um carrapato, o danado saltará em cima dele, caminhando por sua pelagem até chegar a seu lugar favorito, que costuma ser:
  1. A região das orelhas
  2. Entre os dedos do pé
  3. Próximo aos olhos, nuca e pescoço
São nesses lugares que a pele do cão é mas fina e com maior fluxo sangüíneo.
Se o cão não for tratado com um produto antiparasitario é normal encontrarmos carrapatos. Não se preocupe, não tem nada a ver com a higiene do cão. Um simples passeio é suficiente para que seu cão tenha carrapatos. Não há cão no Brasil livre desses bichos.

De qualquer forma, é provável que não detecte o carrapato se não procurar. Seu sucesso evolutivo está justamente no fato de passarem desapercebidos. Quando picam seu cão, ele não sente, pois, antes de introduzir sua boca, parecida com um estilete, o carrapato deposita uma pequena quantidade de saliva com propriedades anestésicas. Ao picar não causará nenhuma dor. Mas ainda assim, a picada causará danos.


Ciclo reprodutivo do carrapato - Clique na Imagem para ampliá-la

Danos causados pelo carrapato:
  1. Lesões de pele causadas pela ação mecânica da mordida
  2. Efeitos tóxicos, já que a saliva do carrapato contém enzimas e neurotoxinas que pode provocar paralisias,
  3. Debilidade e anemia, ao consumir grandes quantidades de sangue,
  4. Transmissão de outras doenças.
Encontrei um carrapato no meu cão, como faço para tirá-lo?


Em primeiro lugar, arrancar o carrapato é contraindicado. O máximo que fazemos é eliminar parte do corpo, sendo que o resto fica ainda aderido ao cão, podendo provocar infecções.

O ideal é aplicar umas gotas de vaselina ou parafina ao redor, esfregá-lo um momento até que amacie um pouco a pele e depois tentar retirá-lo suavemente. Depois podemos nos desfazer do carrapato colocando-o no álcool para que não escapem os ovos e morram. É importante lavar as mãos depois de manipulá-los.

Também existem instrumentos especiais para a extração do parasita, como pinças de carrapatos, que podem ser adquiridas em lojas especializadas.

Cuidados no ambiente
  • Uso de carrapaticidas: aplicar nos canis, casinha dos cães, em plantas e canteiros, atentando para frestas nas paredes ou pisos e ralos. O forro da casa não deve ser esquecido. Repetir o tratamento a cada 15 dias;
  • Em canis de alvenaria, o uso da "vassoura de fogo" é muito eficaz. O calor irá destruir todos os estágios do carrapato. Repetir o tratamento a cada 15 dias; uma opção caseira são aparelhos com jato de vapor d'água fervendo;
  • Se possível, fechar todas as frestas existentes nos canis ou paredes dos quintais, assim como no piso;
  • Mude de produto a cada 2 ou 3 aplicações, para que o carrapato não desenvolva resistência e o tratamento passe a ser ineficaz.
Importante

  • Filhotes, fêmeas gestantes e gatos não devem ser banhados com produtos carrapaticidas;
  • CONSULTE O VETERINÁRIO antes de usar qualquer produto;
  • Banhos carrapaticidas devem ser dados com o cuidado de não permitir ao animal lamber o produto durante o banho. A ingestão pode causar intoxicação grave;
  • Animais com ferimentos abertos (feridas ou queimaduras) não devem ser tratados;
  • Existem carrapaticidas para uso em cães, porém, muitas vezes são recomendados produtos de uso em bovinos e cavalos. AS DOSAGENS SÃO DIFERENTES. Consulte o seu veterinário antes de usar esses produtos;
  • Retire os animais do ambiente que irá receber o tratamento contra carrapatos até que o produto usado seque completamente.
O combate ao carrapato deve ser intensivo e durante um longo período de tempo. Nos meses mais quentes, a infestação pode voltar e os cuidados devem ser redobrados. Nas áreas em que há carrapatos em qualquer época do ano, o tratamento deve ser constante. 

Comentários
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Obrigado por participar!
Para comentar NÃO é preciso ter conta no blogger, basta deixar comentário como "Anônimo", só não esqueça de:
* deixar seu nome
* dizer de que cidade/Estado você é
* deixar seu e-mail caso necessite de resposta
Ao deixar seu comentário você automaticamente autoriza sua publicação.
Abraço, Gustavo

Postar um comentário

  ©Meu amigo cao - Todos os direitos reservados.

Editor desse Blog:Gustavo Sacchi

Template by Dicas Blogger | Topo